Bruna Teixeira

INSTAGRAM: @BTEIXXEIRA IDADE: 20 ANOS • ESTUDANTE

Hoje, me afirmo sem dúvidas que SOU NEGRA e isso só ocorreu porque eu comecei a me relacionar com pessoas negras.

Sou negra?

Quando era adolescente fui a uma agência de modelo que uma amiga havia me convencido a ir, então realizamos todo aquele processo, tiramos fotos, desfilamos e no momento de preencher a ficha a mulher que atendia colocou minha cor como “morena bronzeada”. Aquilo foi estranho para mim, em meus documentos constavam a cor parda, e ela criou mais uma classificação.

O Brasil é um país miscigenado então acaba envolvendo diferentes raças, cores e biotipos. Por muito tempo permaneci perdida em o que eu era, porque para o universo branco eu sou escura e para o universo negro sou clara. Não sabia me distinguir, ou entender meus traços e minha cor. Hoje, me afirmo sem dúvidas que SOU NEGRA e isso só ocorreu porque eu comecei a me relacionar com pessoas negras.

Quando entrei na faculdade e comecei a trabalhar passei então a pesquisar, buscar e conhecer mais sobre o assunto já que lamentavelmente o país é carente de conhecimento histórico racial nas escolas, escondendo muitas verdades. Nós afro brasileiros estamos construindo o nosso espaço, expandindo o conhecimento sobre o processo das relações raciais e buscando o respeito, igualdade e a ruptura de padrões racistas construídos na sociedade.

INSTAGRAM: @BTEIXXEIRA IDADE: 20 ANOS • ESTUDANTE

Today, I say without a doubt that I’M BLACK, and I’m able to say it because I began relating myself with other black people.

Am I black?

When I was a teenager, a friend of mine convinced me to go to a modeling agency. After going through the entire process of taking pictures, walking on a runway, etc. we had to fill out a form with our information. The lady in charge marked me as a "tanned brunette". That was very strange to me, since all of my documents stated that I had "brown skin", but she placed me in another category. 

Brazil's population is a product of miscegenation, involving many different races, colors, and body types. For a long time I remained lost about who and what I was, because for the 'white' universe I'm too dark and for the 'black' universe I'm too light. I didn't know how to distinguish myself, or understand my roots or my skin color. Today, I say without a doubt that I'M BLACK, and I'm able to say it because I began relating myself with other black people.

When I started college and began working, I decided to research and seek knowledge regarding the topic of race in Brazil. Sadly, the country's educational system lacks history on race and they are hiding much of the truth. As Afro-Brazilians, we're constructing our own space, expanding knowledge regarding race and seeking respect, equality, and the abolishment of racist patterns developed by our society.